Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Seguro obrigatório para bicicletas

29.08.13

Público 28.08.2013:

O ACP – Automóvel Club de Portugal defende que os ciclistas sejam obrigados a ter um seguro de responsabilidade civil, já que as novas regras do Código da Estrada tornam as bicicletas com direitos semelhantes aos dos restantes veículos.


Dado que os ciclistas estão em igualdade de circunstâncias em relação a um veículo a motor e têm um determinado número de regalias novas, a partir daí é fundamental que também tenham um seguro de responsabilidade civil contra terceiros, como têm os carros, os motociclos e tudo o que circula na via pública*”, disse à agência Lusa o presidente do ACP, Carlos Barbosa.

Para o responsável, a partir do momento em que “têm equivalência aos veículos motorizados”, as bicicletas devem ter “o mesmo seguro para responsabilidade de terceiros”, no caso de estarem envolvidos nalgum acidente.

Aliás, Carlos Barbosa prevê que as novas regras do Código da Estrada tragam mais acidentes com bicicletas: “A coexistência entre automobilistas e ciclistas nem sempre é pacífica. Tenho receio que, ao aprenderem a conviver, haja vários acidentes e problemas. Acho que é fundamental todos os ciclistas, até para sua própria protecção, terem um seguro de responsabilidade civil”.

 

*Carlos Barbosa esquece que existem peões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:02


2 comentários

De Joao a 30.08.2013 às 23:41

A medida de prioridade do velocípede sobre o veículo com motor, anula o princípio da segurança rodoviária porque, um ciclista numa descida atinge uma velocidade considerável, e entrar num cruzamento, o automobilista pode não conseguir visualizar o ciclista devido às reduzidas dimensões da bicicleta, especialmente as dobráveis de roda 20. Também torna-se complicado numa subida, o automobilista ter de esperar que o ciclista pedale até sair da via, especialmente em cruzamentos de várias faixas de rodagem, o que parece ser um embaraço para o trânsito... Quanto ao seguro de responsabilidade civil é inútil porque a bicicleta pouco ou nenhum estrago consegue fazer, e se estragar algum retrovisor só se fôr de algum carro estacionado em segunda fila, pois à anos que ando de bicicleta e nunca raspei carro, nem acidente tive, porque as características da bicicleta tornam quase impossível tal existir.
O seguro é coisa fraudulenta pois a bicicleta não tem matrícula, e torna-se impossível provar qual a bicicleta que causou o acidente, ou seja, duas bicicletas iguais, apresenta-se a que estiver partida para benefício criminoso, quando o estrago foi na outra (tipo uma bicicleta com o quadro partido, enquanto o estrago era apenas numa roda da outra, tipo 20 euros)...
E de noite, ou locais sem iluminação, como consegue o automobilista visualizar o ciclista?
Acho que deviam era propôr a quem propõe tais alterações, ou seja, aos elementos do governo, que deixem de consumir drogas e álcool pois o corpo deles já não aguenta mais!

De MC a 31.08.2013 às 12:42

"A medida de prioridade do velocípede sobre o veículo com motor"?? Está a falar de que país? Portugal não tem isso nem na lei antiga, nem na nova a entrar em vigor em Novembro...

Comentar post



Um blog de homenagem a Carlos Barbosa, presidente do ACP

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D